Copom no foco doméstico e esperança de cura para coronavírus impulsiona mercados

4 minutos para ler

BRASIL
10:00
IHS Markit: PMI de serviços e composto – Jan
14:30 BC: Índice Commodities Brasil (IC-Br) – Jan
14:30 BC: Fluxo Cambial (semanal)
18:20 BC anuncia decisão de política monetária

E.U.A.
10:00
Deptº do Comércio: Balança comercial – Dez
11:45 IHS Markit: Índice dos gerentes de compra (PMI) composto (final) – Jan
12:00 ISM: Índice de atividade do setor de serviços – Jan

EURO
05:55
IHS/Markit: índice de gerentes de compras (PMI) composto (final) – Jan
06:00 IHS/Markit: índice de gerentes de compras (PMI) composto (final) – Jan

ÁSIA
Sem destaques

BRASIL
Copom no foco doméstico e esperança de cura para coronavírus impulsiona mercados

Por Pedro Molizani – Trader Mesa de Câmbio Travelex Bank

Relatos de avanços do Reino Unido e China no tratamento do coronavírus animam os mercados globais nesta quarta-feira, colocando as bolsas em valorização firme e o petróleo em alta de 2%. No Reino Unido uma vacina está sendo desenvolvida, enquanto na China dois medicamentos estão sendo testados como inibidores do vírus em experimentos in vitro. O coronavírus já matou quase 500 pessoas na China e duas fora do país e mais de 20 mil pessoas foram infectadas, com casos em 25 países, incluindo a China.

As atenções no Brasil estão também no desfecho da reunião do Copom, especialmente no tom do comunicado. A curva de juro a termo precificava ontem 86% de chance de corte de 25 pontosbase da Selic neste encontro para a nova mínima histórica, de 4,25% ao ano. Analistas aguardam para saber se o Banco Central deixará a porta aberta para mais um corte em março ou sinalizará pausa no ciclo de afrouxamento monetário. A maioria no mercado espera que a redução de agora seja a última do ano, segundo o Projeções Broadcast. No radar também estão as ações da Petrobras, em dia de precificação da venda de ações da estatal pelo BNDES, que pode girar R$ 23 bilhões e também influenciar o dólar para baixo diante da espera de atração de fluxo cambial. Ontem os papéis da petroleira fecharam em alta, com expectativa de elevada demanda, e hoje as ações também podem ser beneficiadas pelo forte avanço do petróleo.

As ações do Bradesco também serão acompanhadas, após o banco divulgar seu balanço do 4º trimestre, com crescimento de 14% no lucro líquido na comparação anual. Também hoje são esperadas a balança comercial dos Estados Unidos, com sinais sobre efeito dos conflitos comerciais com a China nas importações e exportações do país. Na política brasileira, as articulações pelo andamento das reformas são monitoradas, principalmente depois que senadores expuseram ontem insatisfação com o governo com a reforma tributária e descartaram uma votação do texto no primeiro semestre. Em outro front, o ministrochefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, se movimenta para evitar um desgaste maior com o presidente Jair Bolsonaro. Ontem ele demitiu mais dois auxiliares e pretende fazer mudanças no ministério.

MUNDO
Mercados internacionais em alta

Por Pedro Molizani – Trader Mesa de Câmbio Travelex Bank

As bolsas europeias e os índices futuros das Bolsas de Nova York reverteram perdas de mais cedo e passaram a subir em meio a relatos de que cientistas no Reino Unido e na China fizeram avanços no sentido de desenvolver uma vacina para o coronavírus. Às 7h26, a Bolsa de Londres subia 0,74%, a de Frankfurt avançava 1,13% e a de Paris tinha alta de 0,86%.

No mercado futuro de Nova York, Dow Jones subia 0,83%, S&P 500 avançava 0,80% e Nasdaq valorizava 0,91%. Entre os Treasuries, os juros passaram a subir, revertendo queda vista durante a madrugada. No mesmo horário, o rendimento da T-note de 10 anos aumentava a 1,6277%. As bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada pelo segundo dia consecutivo nesta quarta-feira, reduzindo perdas que acumularam em meio a preocupações com a epidemia de coronavírus. Hoje, o Banco do Povo da China (PBoC, o banco central chinês) não atuou no mercado aberto, após fazer agressivas injeções no sistema financeiro nos últimos dois dias.

O Xangai Composto subiu 1,25%, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 2,48%, apesar de o PMI ter mostrado desaceleração da atividade na China. O índice japonês Nikkei teve alta de 1,02% em Tóquio, enquanto o Hang Seng se valorizou 0,42% em Hong Kong, o sul-coreano Kospi subiu 0,36% em Seul. Na Oceania, o S&P/ASX 200 avançou 0,39% em Sydney.

Fonte: Broadcast

Posts relacionados

Deixe um comentário